Falando de tudo um pouco

Publicado em

Em 2008 visitando a FLIP (para quem não conhece, digo a ótima Festa Literária Internacional de Parati) assisti a palestra do escritor francês Pierre Bayard. Ele estava lá divulgando seu novo livro “Como Falar dos Livros que não Lemos” e se não me lembro vivamente do seu discurso sei que sai instigada. Um ponto de vista pra lá de verdadeiro sobre a cultura que permeia os livros e as diversas formas que temos para adquirir as informações necessárias e os caminhos para encontrar nossa sabedoria.

Sim, eu estou a falar de um livro que eu não li. Mas se me lembrei disso é porque desde então, talvez tocada pela palestra, comecei cada vez mais a perder a vergonha de falar sobre assuntos que não estudei, sobre os quais nunca li um livro, um manual ou uma resenha.

Construção civil agora é meu tema preferido. E não podia ser diferente. Um dos papéis quando você vira um empreendedor é passar segurança a todos que trabalham para você. Não tem um dia que eu não visite a obra e não responda a uma meia dúzia de questões que me são feitas pelo mestre de obras. O que ele não sabe é que quase nunca eu sei a resposta. Mas me valho da técnica de fazer outros diversos questionamentos sobre os assuntos que permeiam a questão e, junto com ele, aos poucos ir construindo o pensamento para a solução da pergunta inicial. Se ele percebe isso eu não sei, mas sempre saímos felizes dos nossos papos e trocas de informações.

Mas essa falta de vergonha para falar de assuntos diversos também é a mesma ausência de pudores para responder: bom isso eu não faço a mínima ideia! Assumir a ignorância sobre certas questões não só não vai te deixar desacreditado perante seus funcionários como ainda pode ser o mais prudente em certos casos. A questão é saber dosar, entender o anseio do seu interlocutor e, mesmo dentro da ignorância, dialogar e instigar.

Já discorri muito mais sobre Flaubert nas mesas de bar do que o par de dúzias das páginas lidas de Madame Bovary me permitiriam. E sempre sai da mesa sabendo mais. Quem nunca?

Ninguém me segura, proximamente discutindo sobre aterramento de fios e alimentação trifásica numa casa perto de vocês…

Uma opinião sobre “Falando de tudo um pouco

    “… como uma infância” « MIMO Restaurante disse:
    15/02/2012 às 5:45 PM

    […] from Italy” que inseri o link no post anterior, subi correndo as escadas atrás de um livro (dessa vez eu li) que me fez criar algumas boas lembranças daquilo que não vivi e de um lugar que ainda, repito, […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s