Montando seu negócio

Agora oficialmente: 1 ano

Publicado em

mimo1ano

É hoje.

14 de janeiro de 2014.

O MIMO completa oficialmente 1 ano de existência.

Estamos a preparar uma retrospectiva. Não hoje. Hoje é dia de festa! Hoje é dia dos nossos clientes levarem mais um mimo em forma de cupcake para casa e comemorarem com a gente. Hoje é dia de renovar nossa força e existência.

E é dia de desejar a todos os nossos parceiros, clientes, amigos, fornecedores, funcionários, colaboradores, enfim, todos que de uma forma ou de outra participam dessa loucura que é manter um empreendimento nesse Brazilzão, aquilo que desejamos todos os dias para nós mesmos, assim como eternizado por Carlos Drummond de Andrade:

“Para você, desejo o sonho realizado. O amor esperado. A esperança renovada. Para você, desejo todas as cores desta vida. Todas as alegrias que puder sorrir. Todas as músicas que puder emocionar. Desejo que os amigos sejam mais cúmplices, que sua família esteja mais unida, que sua vida seja mais bem vivida. Gostaria de lhe desejar tantas coisas. Mas nada seria suficiente… Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. Desejos grandes e que eles possam te mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade.”

Anúncios

De volta ao ar…

Publicado em Atualizado em

Já nem me lembro a última vez que passei por aqui pra escrever. Olhando o post anterior vejo que foi em meados de setembro… do ano passado! Tem uma meia dúzia de outros posts não publicados salvos na caixa de entrada mas percebi que não é o momento de reclamar de coisas que não deram certo, até porque, de uma forma ou outra foram contornadas.

Prometo que ainda vou dar uma revisada pra ver quais boas histórias deixei de contar porque estava muito estressada ou cansada para dividir os últimos meses de trabalho com vocês.

O que tenho a dizer agora é que, uma úlcera depois, o MIMO finalmente abriu. OK, OK… em soft opening, mas abriu.

Fiquei umas duas semanas só convidando amigos em busca de opiniões sinceras (obrigada de coração àqueles que puderam disponibilizar parte de seu tempo). Depois abri discretamente, sem qualquer alarde, promoção ou divulgação, as portas na hora do almoço.

E alguns vizinhos de casa ou trabalho perceberam e andam comparecendo. Obrigada a eles que por curiosidade apareceram aqui e ainda mais àqueles que persistiram e estão voltando. É por isso que todo o sofrimento vale a pena.

Por último, já que dezembro é o mês oficial de comemorações, principalmente as corporativas, aproveitei para fazer pequenos eventos para grupos de amigos e suas empresas, e mantive assim uma motivação aos funcionários que estavam ávidos por uma correria (pena que nem todos tinham essa gana).

Tudo isso pra dizer que já posso postar umas fotos mais interessantes pra vocês (ou pela menos para aqueles que entram num site de um restaurante e que querem ver comida).

De qualquer forma, vale lembrar que ainda não houve a abertura oficial! Com todos os horários funcionando, com todos os funcionários em seus postos e bem treinados. Isso vai acontecer em breve. Eu pedi pro Papai Noel, pulei sete ondas no belo mar de Porto de Galinhas, fiz promessas para santos e orixás. Até deixei de jogar na Mega Sena da Virada com medo de ganhar muitos milhões e resolver passar esse restinho de século em Paris!

Pois bem, os dados institucionais:

Mimo Restaurante

R.Caconde, 118, Jardim Paulista, tel. 3052-2517. 58 lugares. Acesso e banheiro para deficientes físicos.Aceita todos cartões de crédito e débito, Visa Vale, Ticket Refeição e Sodexo. Não aceita cheque e hipercard. Ar condicionado. Não tem área para fumantes. Estacionamento com manobrista R$15. Horário de funcionamento: seg- sexta: 12h/15h. Sábado das 12:30h-16h. Terça e quinta das 19:30hs/23h. Sexta e sábado das 19:30-00h. Wi-fi. Rolha: R$30. www.mimorestaurante.com.br

E seguem algumas fotos.

Mais delas você vê em nossa página do Facebook. Curte lá!

IMG_3239 IMG_3158 IMG_3227 

IMG_3212 IMG_3193
IMG_3083IMG_3074 IMG_3117 IMG_3147
IMG_3303 IMG_3201

 

Aqueles dias…

Publicado em

Já reclamei de algumas coisas aqui não? É a sina de uma obra civil. Mas e aquele dia em que quem faz a(s) bobagem(ns) é você mesmo?

Tem a máxima de que estamos aí pra errar e aprender com os erros, ou ainda a evoluir com a experiência, que é melhor errar tentando do que não se arriscar. OK, acredito fielmente nesta última só que fico muito puta… e nem me venha com esse blá blá blá todo pra amenizar.

Talvez depois de um tempo (muito tempo) eu consiga olhar pra trás e tirar algo bom das minhas cagadas (ops!). Enquanto isso, quando a única a culpar por uma M… sou eu mesma, ahhh amigos, é difícil não me xingar com raiva no coração.

O grande problema é que quanto mais putos estamos, pior o raciocínio fica e aí vem o encadeamento de bobagens. Dá vontade mesmo de voltar pra casa e dormir pra recomeçar só no outro dia.

Mas já que ainda não inventaram o Ctrl+Alt+Del dos humanos, eu me socorro na pausa para o café. O que vocês fazem nessa hora (ou vai dizer que só eu acordo com o pé esquerdo e o cérebro debilitado)?

Levanta da cadeira menina! Desce as escadas, respira um ar quase puro, toma um café, dois, três, liga o YouTube, comenta um post do Facebook, conta até dez, olha o Instagram, conta uma piada e tenta tudo de novo.

Pelo menos eu não fui a única hoje… Cadê o telefone do MIMO que instalaram ontem e funcionava perfeitamente? Alguém mexeu nas fiações e a comunicação se foi.

Boa noite!

Ficha técnica

Publicado em Atualizado em

A obra do MIMO está quase chegando em seu termo final e acho que já está na hora de eu dividir com vocês a ficha técnica desse empreendimento.

Ainda vou contar muitos detalhes dessa construção, mas fato é que esse blog começou com o intuito de relatar o nascimento de uma empresa e não somente de uma edificação, assim quero logo voltar a minha atenção ao negócio e já sinto necessidade de passar a régua em alguns assuntos.

Por isso optei por fazer esta ficha técnica de tudo o que foi contratado, construído, elaborado até então, aproveitando para organizar um pouco meus pensamentos sobre o que há por vir.

Muitos, mas muitos comentários cabem sobre cada contratação, quais eu faria de novo e quais não; quais fornecedores me trouxeram dor de cabeça e quais solucionaram os problemas. Por ora vou poupá-los dos comentários para não tornar este post um capítulo interminável.

Se você não está pensando em construir ou reformar pode pular para o fim do post. Caso contrário leia abaixo, mas repito: muitos dos fornecedores eu NÃO CONTRATARIA DE NOVO!

Então, se precisar de indicação, me mande um email antes perguntando minha opinião sobre cada qual, OK?

Projeto Arquitetônico: Triplo R Arquitetura

Projeto de Cozinha: Estillo Arquitetura

Projeto Estrutural: Praxis Engenharia

Projeto de Elétrica e Hidráulica: Ramoska & Castellani

Projeto de Ar Condicionado e Exaustão: MPM Ar Condicionado

Gerenciamento dos Projetos: MAJER Engenharia

Despachante de Projetos: Kensetsu Consultoria e Projetos

Construção Civil: MAJER Engenharia

Arquitetura: Triplo R Arquitetura e Fabiano P. do Amaral

Estruturas Metálicas: Lenz do Brasil

Execução do Sistema de Exaustão: Tuboar Coifas

Câmara Fria: Confriar Câmaras Frigoríficas

Cozinha (Bancadas, Refrigeração): ABC Cook

Equipamentos de Cozinha: Smart Cozinhas (Rational, Everest, Hobart, Filizola)

Geradores: S&S Comércio de Geradores

Monta-cargas: Zenit Elevadores

Seladora a vácuo: Protervac

Luminárias das áreas técnicas: Projeluz Iluminação

Filtros de água: Europa e Begel

Caixas d’água: Aqualimp

Louças, Metais e Materiais de Obra Diversos: C&C e Telhanorte

Ar Condicionado: Uptec (contrato rescindido) e Ar7 Climatização

Vidros e Espelhos: Lamitemper

Portas de madeira: Supermad Wood Center

Esquadrias e Portas Metálicas: SC Esquadrias

Forros de Gesso, Knauf e PVC: A. Visentim

Pisos e Revestimentos: Zaro Revestimentos

Marmoraria: Marmoraria Itaguaçu

Adegas: Art des Caves

Marcenaria: Marcenaria GS e LAARC Arquitetura

Estofados: Aconfortex Cortinas e Estofados

Móveis Escritório: Movesq Móveis para Escritório

Mesas do Salão: Indrigo Móveis e Alucast

Cadeiras: CLAMI Design, Brentwood e OPPA

Consultoria Operacional: Mesa III

Identidade Visual: Texto & Design

Site: João Bill

Sistema de Informática: ALTEC Sistemas

Hardwares e Redes: Idem Informática

Sistema de Som: Empreiteiro Elias

Alarmes e Câmeras de Segurança: Porto Seguro Seguros

Contabilidade: Starmaster

Seguradora: Liberty Seguros

Vigilância e Segurança: Monaco Vigilância

A contratar: Luminárias das áreas sociais, sistema de telefonia, paisagismo, horta, móveis decorativos, Pinturas, utensílios de cozinha, limpeza geral, toldos (esqueci algo? provável…)

Se todos tivessem bem funcionado talvez eu não tivesse chorado tanto as pitangas aqui, mas o fato é que falta pouco agora, certo? A maior lição que tive é a importância e a diferença de um bom gestor de obra, coisa que não tive…

Saudosismo sim, mas não no meu prato, OK?

Publicado em Atualizado em

Fiquei pensando esses dias sobre a supervalorização que damos à nossa infância (ou seria ao passado em geral?). Como é comum ouvir manifestos de satisfação quando se come alguma comida que remete à infância. Não por menos que a “confort food” voltou com tudo prometendo trazer a lembrança do tempero da vovó, não por menos que clássicos como o “mandiopan” são relançados nas prateleiras dos supermercados.

No entanto, para mim, as melhores lembranças culinárias começam depois dos meus vinte anos de idade. Quando eu efetivamente aprendi a comer por prazer e não por subsistência. E por isso me sinto mais verdadeira quando busco referências vanguardistas para o desenvolvimento do cardápio do MIMO (mas a vanguarda, para ter consistência deve se basear nas tradições passadas ao longo de gerações, reinterpretando-a, reinventando-a ou a ela se opondo, não?).

Por isso não me interpretem mal, eu não descarto em nenhum momento o passado, valorizo o conhecimento acumulado por décadas, respeito-o, admiro-o, estudo-o, mas busco uma expressão mais contemporânea que represente a minha história de vida.

Deixo o saudosismo para a música, para a moda e outras artes em geral. Porque aí não me sinto falsa em abusar de referências passadas ou de lembranças criadas pelo consciente coletivo. Agora montar um restaurante com esta característica única e exclusiva de devolver ao cliente a emoção do prato da vovó? Hum não consigo, afinal meu restaurante é o meu futuro, representa o corte com o meu passado e com a minha trajetória como até então planejada e vivida.

A Revista Época há algumas semanas publicou uma reportagem que fala sobre o tema. Veja aqui. E eu me identifiquei em diversas passagens com a tal geração shuffle, mas se por um lado adoro ir a uma confeitaria ou a um café com ares parisienses, louças vitorianas (quando vou ao Rio de Janeiro a Confeitaria Colombo e o Copacabana Palace são paradas obrigatórias), por outro lado fico sem nenhuma sombra de dúvida mais feliz almoçando no Mani do que no Famiglia Mancini. Sem qualquer desrespeito ao clássico paulistano, OK? Comida boa e farta, que me satisfaz, mas não me emociona tanto como o toque da Helena Rizzo.

Se bem que se o Mani colocar na trilha sonora uma música eletrônica vou sair de lá correndo. Servem as baladinhas com clipes incríveis que remetem à época que realmente não vivi.

PS: esse foi o briefing que dei ao meu arquiteto, aos meus designers e outros colaboradores. Será que deu para entender a minha cabeça?

Na mídia

Publicado em

Eu deveria ter retomado o blog pelo menos um dia antes de o MIMO ser citado pela primeira vez na mídia, mas já que não o fiz pelo menos conto aqui que graças ao famoso “estar no lugar certo na hora certa” fui entrevistada e o restaurante já ganhou sua primeira notinha!

Para quem não viu o caderno sãopaulo do jornal Folha de São Paulo desse último domingo (15.01.2012), segue com orgulho!

Certificado Digital

Publicado em

Alguns bons anos me separam dos dias em que eu heroicamente enfrentava a burocracia fiscal e tributária deste país. Mantenho na memória inúmeras discussões com fiscais, contadores e afins, na minha eterna chama juvenil de achar que a razão cartesiana, o tecnicismo moderno e a lógica jurídica pudessem superar as barreiras de um complexo sistema distanciado de sua finalidade objetiva principal.

Eu cansei. Hoje para entrar em uma discussão muito me custa. Não me vanglorio dessa posição apática, muito menos de engrossar as estatísticas dos alienados do mundo moderno, mas a sociedade anda exigindo muito de nós e eu foquei somente em contribuir com as pequenas coisas que estão ao me redor.

Confesso que tenho conseguido dormir tranquila só de saber que reciclo meu lixo e contribuo com uma organização efetiva e socialmente responsável (não vou nem mencionar a sigla ONG porque até isso já nos faz torcer o nariz).

No entanto essa semana voltei a me revoltar. Com uma questão pequena, e de uma forma que me incomoda: revolta sem muito embasamento técnico a suportar meus argumentos. O fato é que me pediram um pouco mais de R$ 400,00 porque eu estaria obrigada a ter um “e-CNPJ” ou seja, uma versão eletrônica do meu CNPJ para garantir a “autencidade e integridade” das minhas transações blá, blá, blá.

OK, não sou contra a tecnologia, não sou contra facilitar a vida dos contadores, mas “oi?” e esse custo para algo que vale só três anos. Porque estou “obrigada” a isso? Ninguém paga para ter um RG, um CPF ou mesmo um CNPJ. Porque tenho de pagar para ter um certificado digital que vai facilitar muito mais a vida do governo do que a minha mesmo? Será mesmo razoável?

As perguntas ficam sem resposta e o empresário é vencido pelo cansaço. Pois após falar com tantas pessoas despreparadas a dar as informações corretas, a entender o seu posto de vista e contra-argumentá-lo, você realmente quer pagar R$400,00 para ficar livre das discussões inúteis e focar nas atividades que vão possibilitar você ter renda para pagar todos esses R$400,00 que nos são abocanhados periodicamente.

Se ao menos isso fosse diminuir o custo da burocracia no Brasil… mas lógico que não, continuamos campeões disparados no ranking de países que mais gastam com burocracia, que mais mantém funcionários para atender às obrigações fiscais acessórias e que, portanto, perdem produtividade e competitividade.

Como empresária gostaria de me tornar menos combativa e revoltada do que como advogada, será que consigo?